Artigo: Legalidade versus legitimidade na sociedade em rede

Questão surge, neste momento histórico, ao lado de reflexões sobre princípios democráticos e códigos de conduta.

Artigo escrito em parceria com Lélio Lauretti e veiculado pela Revista Capital Aberto. Acessem a versão veiculada e a original neste post.

É histórica a força dos movimentos sociais que estimulam mudanças e produzem novos valores e objetivos a partir dos quais as instituições se transformam. Como anotou Manuel Castells1, percebemos nas duas últimas décadas o desenvolvimento da “sociedade em rede”, que desperta a opinião pública para maior disposição em denunciar o escárnio a que estão sendo submetidos os ideais democráticos em boa parte do planeta. Como resultado, nos parece irreversível o empoderamento dos cidadãos para a revitalização da democracia, o que passa pelo fortalecimento de princípios democráticos ancorados em valores legítimos da cultura e do sistema legal, bem como pela interação direta nos processos de governança corporativa.

A sociedade em rede, além de ter criado desafios para o sucesso no mundo corporativo — como criatividade, negociação e capacidade de mobilização —, gerou uma nova forma de poder, que é, a um só tempo, identificável e difusa. Sintetizando Castells, o poder atual está na mente das pessoas. Sabemos o que ele é, mas não podemos tê-lo, porque passou a ser uma função dos “códigos de informação” e das imagens de representação em torno dos quais a sociedade organiza suas instituições e as pessoas constroem suas vidas e definem seus comportamentos.

CAPITAL-ABERTO-Artigo-AAS-LL-editado12531

CAPITAL-ABERTO-ARTIGO2020-VERSÃO-2

Clique aqui, entre em nosso fórum, deixe suas dúvidas e participe das discussões!